Terceira advogada de Araraquara é detida no Paraguai

23/11/2010 22:06

A Polícia Federal (PF) de Marília confirmou a prisão da advogada de Araraquara, que teve o nome preservado, por suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas e ligação com um detento condenado por tráfico internacional.

Ela foi detida hospedada em um hotel na cidade Pedro Juan Caballero, no Paraguai, na divisa de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. A profissional está sob custódia da polícia paraguaia e a Federal aguarda decisão dela.

A prisão faz parte da operação "Longa Manus" desencadeada nesta terça-feira, após sete meses de investigações. No total, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e nove mandados de prisão temporária de 30 dias.

Até o momento, o saldo da operação foi a detenção de cinco advogados, três deles de Araraquara. Um homem e uma mulher foram detidos dentro de casa.

Veja também:
Advogados de Araraquara são presos por tráfico internacional

O delegado Anilton Roberto Turibio, da PF de Marília, diz que a advogada foi monitorada e seguiu a trabalho até o Mato Grosso do Sul. Lá, no entanto, se hospedou na área paraguaia e isso evitou que a PF pudesse prendê-la.

A advogada, que, segundo o delegado, passaria informações sobre o comércio de drogas, está com prisão temporária de 30 dias. "Estamos aguardando se ela vai entrar espontaneamente em território brasileiro ou será extraditada", afirma o delegado.

A PF diz ter apreendido cerca de R$ 35 mil em dinheiro na casa da advogada em Araraquara.
Também foi confirmada a prisão de uma quinta profissional liberal em São Paulo.

A operação terminou com a prisão de uma funcionária de Orlando Marques dos Santos, o Seu Orlando, supostamente responsável pela "lavagem de dinheiro" por meio de uma imobiliária na Capital. Um motorista foi detido em Itanhanhém e outro em São Paulo. Ambos seriam traficantes.

Segundo a PF, os advogados aproveitariam as prerrogativas da profissão para "trabalharem" levando informações criminosas a pedido do Orlando Marques, que cumpre pena na Penitenciária de Avaré. A PF não divulgou detalhes da investigação e nem o depoimento dos advogados, após a prisão desta terça-feira.

 

 

FONTE: araraquara.com